Especiais

O nome do troféu – Edição 01-FIFA 13, Vanquish, a bruxa e o espartano

Para muitos, eles são o motivo para um prolongamento da vida útil de um jogo. Para outros, eles, de alguma forma, fazem com que a preguiça tome conta das softhouses e o contrário ocorra, ou seja, enxugamento de conteúdo. Uns adoram compartilhar entre amigos as suas façanhas por meio de fóruns e afins. Outros nem ligam quando eles aparecem na tela. Por mais controversos que possam parecer, uma coisa é certa: os troféus no PlayStation (e, claro, os achievements no Xbox 360) se tornaram uma das novidades mais celebradas dessa geração.

Temos aqui o Trophy Guide, nossos guias, nova vertente de detonado, que auxilia os jogadores em busca de suas proezas com o joystick em mãos. Agora, teremos uma seção mais descontraída e que busca ver uma outra faceta dos troféus: o seu nome. Quem nunca riu de um nome estranho de um troféu? Ou captou tal referência? Esperamos que gostem desse artigo inaugural.

Mas antes de iniciarmos de fato, vamos com um pouco de "interatividade" aqui.

Veja a imagem abaixo:

É a platina de um jogo de PlayStation 3. Somente por este recorte você consegue adivinhar de qual jogo é? A resposta estará no final desse artigo.


Uma das febres da internet nos tempos de hoje entre os jovens é o conjunto de memes que infestam a rede. Propagar uma ideia por meio de uma imagem, vídeo, link, frase, enfim, os exemplos são inúmeros desta forma descontraída de se comunicar. Não há um crítério próprio que possa definir como ocorre o surgimento de algo deste tipo, salvo alguns fóruns que insistem em propagar alguns memes, por vezes com sucesso. Porém, quem imaginaria, por exemplo, que a "Luíza que está no Canadá" viraria um meme?

Os memes em si também são utilizados para enriquecer contextos próprios dentro de inúmeros cenários, por vezes impensáveis. Aqui temos o exemplo de FIFA 13, novo jogo da EA do esporte mais conhecido no mundo. Ainda faremos um Trophy Guide acerca do jogo, porém já adiantamos dois dos troféus presentes e que fazem alusão aos memes.

O primeiro deles se denota pela frase "Challenge Accepted", porém infelizmente, não há esta figura abaixo no troféu de prata a ser conquistado.

FIFA 13 está recheado de conteúdo e desafios. O desafio que nomeia o troféu selecionado consiste em enfrentar o time da semana do Ultimate Team (Team of the Week). O modo Ultimate Team consiste em desafiar o jogador em diversas partidas, fazê-lo montar o seu próprio esquadrão de atletas e buscar, por meio do acúmulo de moedas, que sejamos estimulados a comprar pacotes que contém cards que representam jogadores de diversos níveis dependendo de suas habilidades (ouro, prata e bronze).

Enfrentar o time da semana no UT, requisito para o troféu, não é nem tão desafiante assim, afinal, você pode escolher qualquer dificuldade para derrotar a equipe da vez. O desafio maior a ser aceito vem de outros troféus (85 milhões de valor de clube, oi?).

O outro troféu relacionado a memes busca ser mais contextual. Se você perguntar para algumas pessoas qual o meme mais famoso da internet, certamente uma boa parte responderá "trollface". Ser troll é caçoar de forma impiedosa, usar da esperteza para provocar algo ruim, como discórdia, baixar nível de discussão ou simplesmente fazer a pessoa passar por um constrangimento.

Eis que a EA, em seu FIFA 13 nos traz o troféu "Trolling for Goals". Bom, no futebol real, existem várias formas de trollar o adversário. E que podem terminar de forma nada amistosa.

Mas em FIFA 13, o troféu está presente numa cobrança de falta. Para ganhá-lo, o jogador deve selecionar um outro jogador para ficar ao lado do principal cobrador, ir para a cobrança de falta com o segundo jogador, apertar quadrado + xis, fazendo com que este passe com o pé por cima da bola, enganando os otários adversários e permitindo uma maior liberdade de ação para que o jogador principal vá e chute para o gol. Fazer o gol se torna necessário para o troféu pipocar na tela. Problem?

BÔNUS…

Ok, essa não tem relação alguma com o futebol virtual de FIFA, mas tem com os memes. O "cool story bro." é outro destes vastos que vemos internet afora. Geralmente é utilizado para denotar algo que cause tédio, com vasta duração. Normalmente, na internet, isto é relacionado a posts grandes, porém há outros usos que permitem o sarcasmo.

Pensando nisto, a equipe responsável pela lista nominal de troféus de God of War: Chains of Olympus nos trouxe o "Cool story bro." como um troféu a ser destravado após assistir a uma cutscene importante do jogo por três vezes. Ok, evitarei spoilers, a cutscene é ótima, porém o que motivaria a equipe do jogo a dar um troféu deste? Parece um daqueles prêmios para "encher linguiça" por falta de opções, porém acredite: assistir a esta cutscene pela terceira vez fará você ter a mesma reação proposta pelo meme, principalmente se você jogar direto no "Hard" e se atrapalhar com a batalha que vem após o final da mesma.


A espionagem e o tiroteio frenético são universos totalmente distintos. Principalmente quando se trata dos videogames. E quando estes universos são unidos?

Em Resident Evil 6, mais precisamente na campanha de Ada, a espionagem toma o tom e nos mostra, junto a outros elementos bem-vindos, outra faceta de uma campanha tão diversa. Entretanto, e para muitos, infelizmente, há espaço para o tiroteio frenético. Quando citamos essa troca de balas em um clima bélico, logo vem à mente de muitos Call of Duty, a maior franquia da atualidade no mundo dos games. Na campanha de Chris, tão criticada por boa parte do público e imprensa, há trocas intensas de tiros, objetivos típicos de uma campanha da franquia da Activsion, enfim, mesmo se redimindo nos últimos capítulos, a parte protagonizada pelo irmão de Claire ficou marcada pela tônica callofduteana.

Então, nada melhor que a própria Capcom admitir isso nas "entrelinhas" por meio de um troféu. O derradeiro troféu, o que encerra a campanha de Chris, portanto, um relacionado à história e que não pode ser perdido, se chama "Duty Calls". Um tiro de sniper nos saudosistas da franquia.

Ainda na onda dos tiroteios frenéticos, falemos de Vanquish. Garanto a vocês, tal qual a nossa análise feita na época do lançamento do jogo, que este sci-fi shooter, idealizado pelo Shinji Mikami, pai de Resident Evil das antigas, vejam só, é um dos melhores jogos dessa geração no quesito jogabilidade, em que toma ares de perfeição. O jogo está disponível na PlayStation Store por $19,99 dólares e digo que compensa muito a compra. Ou em "disco" mesmo, caso você prefira e ainda não tenha jogado.

Apesar da existência de sequências de tiros rápidos, Vanquish tem espaço para uma abordagem mais precavida, em stealth. E o pessoal que cuidou dos troféus do jogo teve a sagacidade ao nomear a conquista que desafia o jogador no capítulo 3-4. Neste ato, Sam, o personagem principal do jogo (e o qual controlamos) deve, com sua equipe, atravessar um lugar com inimigos sem ser notado, em cima de um monotrilho, usando tiros de sniper para destruir, tanto alguns dos oponentes, como holofotes que poderiam identificar o sua equipe. Claro que é possível passar, mesmo sendo notado, porém para o troféu, você deve se comportar como um verdadeiro espião. E nada melhor que inspirar no xará de Sam, lá da franquia Splinter Cell da Ubisoft, um tal de Fisher, para ir em busca do troféu "Fisher is the Other Sam":

Percebam que se torna um show à parte a equipe dizendo baixinho, quase susurrando, para não ser notada, dizeres como "Nice shot, Sam", "Great, Sam".


Curar-se, ser curado, recuperar energia são práticas rotineiras quando se trata de jogos. RPGs trazem potions, magos que dominam magia de Cura, por exemplo. Resident Evil tem as suas ervas medicinais. God of War tem seus orbs verdes e, por aí vai. E é claro que troféus não iriam ficar de fora disto. 

Ainda em Vanquish, aqui houve bastante humor quando se tratou de nomear um troféu específico para "curar" algum companheiro de sua tropa. Enquanto o tiroteio rola, perceba que alguns de seus companheiros ficam, por um momento, com uma cruz em cima de suas cabeças. Basta chegar no momento certo, apertar quadrado que a cura ocorre e o troféu denominado "Helloooo, Nurse" aparece na tela. Isso se mostra útil tanto para continuar com mais um em sua equipe, quanto para conseguir uma arma nova que é dropada quando a cura é estabelecida.

Ok, agora vamos tornar as coisas mais "eletrizantes". Um dos jogos que eu queimei a minha língua nessa geração foi inFAMOUS. Não gostei do que vi na demo e fiquei procrastinando uma jogatina completa dele até este ano, no qual vi o quão sensacional ele é e como a Sucker Punch conseguiu nos colocar na pele de herói e infame com o "mesmo" personagem e como todo o jogo, seja na reação de cidadãos, nas missões ou nas escolhas cármicas, nos dá a imersão do bem e do mal.

Bom, um dos troféus que evidencia o lado bom de Cole, personagem principal da série, se fundamenta em curar 250 pedestres. Um número absurdo não? Digno de um médico, de um doutor. Devido, possivelmente, à exigência absurda de transeuntes a serem "hospitalizados" por Cole que o troféu se chama "Doctor Cole". Aliás, Cole é tão bonzinho que nem precisam pagar a "consulta". Aliás, por falar em doutor, sabiam que há um médico em nossa Equipe do PS3 Brasil. Dr. Patrick Seabra, conhecido pelo nick Machine God, que traz excelentes análises e trophy guides para os leitores, certamente deve cuidar de seus pacientes de uma maneira diferente do que fora exemplificado por Cole!


É inegável que o primeiro Devil May Cry pode ser considerado um dos melhores jogos da geração passada. Trazendo uma jogabilidade fluente e um personagem ácido em personalidade como principais características, DMC, em cada combo mostrou que ainda influenciaria muito jogo.

Hoje, quando vemos sucessos até maiores que a franquia da Capcom, lembramos, nas rodas de discussão, que DMC foi um dos "pioneiros" com seus combos estilosos, lutas complexas, enfim, principalmente quando se trata de jogos como alguns da série God of War e Bayonetta.

Mas não se preocupem, galera, de uma forma ou de outra percebemos a gratidão dos desenvolvedores pelos serviços prestados por Dante. Nem que seja em uma referência de uma conquista.

Peguemos o exemplo de God of War: Kratos é um personagem totalmente diferente de Dante. Muitos acusam Kratos de não ter carisma, mas ele está lá para ser um anti-herói carrancudo que muitos admiram por sua visceralidade em meio ao contexto da mitologia grega. O gameplay de God of War também se difere de DMC, pela inexistências das armas de fogo, mas o aspecto estiloso de desferir combos, mesmo que em outra perspectiva, reside também no espartano. Ao zerar Ghost of Sparta, spin-off lançado para PSP e, posteriormente para PS3, no Hard, você receberá o troféu "Zeus May Cry". Familiar, não? E por quê, Zeus, afinal, ele não aparece no jogo. Ou aparece? Quem fez tudo em GoS responderá bem a esta questão.

Bayonetta nutre mais semelhanças com Dante. De início, há o mesmo diretor: Hideki Kamiya. A jogabildiade baseada em combos com armas brancas e armas de fogo também se encontra presente, mas com todo o estilo próprio de Bayonetta, seja na sensualidade ou no uso de características inatas da personagem como o Witch Time, por exemplo. Os anjos celestiais sofrem na mão da bruxa e o troféu "Angel May Cry". Para conseguir tal conquista, você deve concluir metade dos portais Alfheim, os quais são acessados em lugares escondidos no jogo principal e trazem desafios que primam por um uso massivo das habilidades aprendidas no decorrer da jornada. Certamente muitos anjos choraram ou, talvez, você mesmo, ao tentar completar muitos destes desafios.



Bom, galera, encerrado este "artigo" que vasculha o nome dos troféus que há em vários jogos. Podemos ter mais deles? Claro que sim. Meu planejamento inicial é fazer um a cada quinze dias caso a receptividade seja boa.

Oh, antes que eu me esqueça, claro: a resposta para o recorte da imagem de uma platina de um famoso jogo:

Perto do lançamento de GTA V, que foi o grande assunto desta semana aqui no PlayStation 3 Brasil, devido aos detalhes emitidos pela Game Informer, será que muita gente aqui no site conseguiu platinar GTA IV? Ou será que ainda estão no caminho para ela ou desistiram da platina?

É isso aí! Bom final de semana para vocês! Plim!