Especiais

Mini-análises #2

Existem jogos que não há muito a ser dito. São jogos pequenos ou ports. Pensando nisso, criamos este artigo chamado "mini-análises". Nele, você encontra quatro análises por edição. Os textos abaixo podem ser lidos aqui (obviamente) ou em nossa bibilioteca de análises, também.

Nesta edição, você lerá análises de quatro games para o PlayStation Vita.
 


Jet Set Radio
– Por: Ivan Nikolai Barkow Castilho

Leia a análise da versão de PS3 clicando aqui. Jet Set Radio no Vita é uma grata surpresa. As diferenças para a versão de PS3 são inexistentes, mas nota-se que o jogo flui muito bem no Vita. Os comandos continuam simples (o uso da Touch Screen poderia ter sido implementado) e todos os modos que o PS3 oferece estão aqui.

O maior problema talvez seja a inexistência de um sistema de "cross-buy" (as versões de PS3/Vita são independentes) e que o jogo não foi feito para uma experiência portátil.

Esperamos que a SEGA resolva lançar mais títulos de Dreamcast para o Vita.

Recomendação: 85%



BlazBlue: Continuum Shift Extend
– Por: Ivan Nikolai Barkow Castilho

Leia a análise de BlazBlue: Continuum Shift de PS3 clicando aqui. BB: CSE é uma ótima adição para a biblioteca do portátil. Disponível desde seu lançamento, o game é idêntico à versão de PS3 (no caso, a "Extend"), com inúmeros modos de jogo. É possível transferir o seu save entre as versões de Vita e PS3, inclusive, mas não há "cross-play".

A versão "Extend" possui uma versão atualizada do modo história de Calamity Trigger chamada "Reconstruction". Há também o personagem Relius Clover, quatro novas histórias para Platinum, Makoto, Valkenhayn e Relius, um novo modo Unlimited Mars e um novo balanceamento para os personagens. O game possui uma nova abertura animada produzida por Production I.G.

O modo online também continua perfeito como a versão de console. O maior problema de BlazBlue são as constantes atualizações que o game recebe. Esta já é a quarta versão da série, sendo que a quinta já está a caminho (Chrono Phantasma). No entanto, se você considera um jogo de luta para o portátil, BB: CSE é uma ótima opção ao lado de Mortal Kombat.

Recomendação: 95%



PulzAR
– Por: Ivan Nikolai Barkow Castilho

PulzAR é um título bastante simples para o portátil. Usando os cartões de realidade aumentada e a câmera do Vita, você deve posicionar diversos refletores para que ative um míssel, o qual por sua vez será lançado em direção a um meteoro.

Um cartão será inicialmente usado para formar a fase, enquanto que os outros para solucionar o puzzle. O maior problema do jogo é o de qualquer realidade aumentada: manter a câmera focada no cartão. Pode ser algo bastante chato para o jogador.

O preço na Store americana é de apenas 1,99 dólar. Se você busca algo para usar os cartões que vieram com o Vita, talvez PulzAR possa ser interessante.

Recomendação: 65%



Need for Speed: Most Wanted
– Por: Allan Rafael Bandini

Leia a análise da versão de PS3 clicando aqui. A Criterion fez um excelente trabalho na versão de Vita. Basicamente, é a mesma que a do PS3, mas com algumas limitações técnicas (como menos carros na cidade virtual). Mas fora isso, principalmente a jogabilidade, o Autolog e todas as coisas que realmente importam do título estão presentes aqui.

O problema do visual é um aspecto negativo (os gráficos de Most Wanted são belos no PS3), assim como o fato de termos menos carros (isso afeta um pouco o gameplay quando comparado com a versão de console, pois existirão menos policiais na sua cola e menos obstáculos na pista). De resto, os problemas e qualidades são idênticos à versão de PS3. Infelizmente, não há um cross-play entre as duas plataformas.

Considerando a atual biblioteca do Vita, Need for Speed: Most Wanted é um título obrigatório para os fãs de corrida e àqueles que desejam algo do gênero no portátil. Não se prenda aos aspectos negativos mencionados acima – se você jogar apenas a versão de Vita, nem os notará.

Recomendação: 83%