AnálisesPS3

The King of Fighters XIII

Análise

NOME: The King of Fighters XIII
FABRICANTE: SNK Playmore
PLATAFORMA: ps3
GENERO: Luta
DISTRIBUIDORA: Atlus


LANÇAMENTOS
25/11/2011 25/11/2011 01/12/2011


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Definição HD: 720p

Downloadable Content (DLC)

Multiplayer: 2 (offline e online)

Troféus

Headset

Arcade Stick

Espaço Necessário para Instalação: 1,17GB (opcional)


The King of Fighters XIII, vulgo KOF XIII, é um jogo que serve como um pedido de desculpas aos fãs. Depois da decepção que foi o XII, muitos achavam que a série estava morta e enterrada. Como podemos ver, não é esse o caso.

KOF XIII, ao contrário do XII, é um jogo completo de luta e com bastante conteúdo. Podemos esperar os clássicos modos de Arcade, Versus e Online, por exemplo. Mas vamos muito além: o (já comum em games de luta) Trial Mode (faça os combos que são exigidos) existe e é um dos mais difíceis que existem, além de permitir que o usuário veja uma demonstração do que deve ser feito. Junto dele temos os modos Survival e Time Attack. Há também um Story Mode bastante simples (cutscenes lotadas de textos e poucas animações). Existem outras opções ainda, como o Gallery Mode com diversas artworks e opção de escutar música e o Replay, com a possibilidade de salvar e rever os seus melhores momentos.

Para as pessoas que gostam de customizar as coisas, KOF XIII possui um sistema de edição das cores dos personagens. É possível modificar as cores de praticamente todos os detalhes do personagem. Mas a modificação é limitada à cor. Você não pode colocar o boné de Terry na Mai, por exemplo. Enfim, tudo o que se espera de opção em um jogo de luta está presente aqui.

O game possui cerca de 30 personagens jogáveis (todos de KOF XII com os mesmos sprites, exceto pelo fato que não são tão grandes na tela assim, estão presentes; além de personagens que muitos fãs queriam seu retorno, como Mai e K’). Existem também 3 DLCs já disponíveis (NESTS Kyo, Iori com chama e Mr. Karate), que nada mais são modificações de personagens já existentes (por exemplo, você seleciona NESTS Kyo apertando Select em cima de Kyo; seus golpes são diferentes e consequentemente os combos também). Dois personagens precisam ser destravados: Billy Kane e Saiki.

O sistema de combate de KOF continua o mesmo. Escolha uma equipe com três personagens e parta para a luta, apenas escolhendo a ordem. A base do gameplay de KOF também se manteve: os quatro tipos diferentes de pulo estão presentes, assim como os combos gigantescos que podem ser feitos dependendo da quantidade de barra que você possui. Não há um sistema de “striker” ou algo do gênero que já existiu na franquia, aqui há apenas o básico e com algumas novidades, como o NEOMAX (um “Super” mais do que “Super”, digamos).

O recomendado, antes de qualquer coisa, é frequentar o Tutorial, um modo no Menu que não foi mencionado anteriormente. Ele ensina todo o básico do sistema de gameplay – desde a movimentação até como executar um “cancel” de “Super” (Desperate Move) para NEOMAX.

A trilha sonora agrada. Inclusive, os primeiros compradores do jogo receberam uma trilha sonora com 4 CDs incluindo diversas músicas da série – desde KOF 94 até KOF XIII. Já os gráficos são ótimos. Os sprites desenhados à mão são bonitos (com algumas exceções, como a Yuri) e os cenários também são lindos. Alguns podem ficar estranhos com os sprites por terem elementos 3D, mas nada complicado.

Porém, nem tudo são flores. O loading do jogo é consideravelmente grande se você não instalá-lo (opcionalmente) no console. Mas, de longe, o maior problema é o modo online. Na situação atual, é impossível jogar o modo “Ranked”. Quando testamos o modo online, a primeira coisa foi jogar com brasileiro que também possua o game. Não fluiu 100%, mas deu para jogar sem maiores problemas. Entretanto, o modo “Ranked” só permitiu apenas uma luta. O restante não era possível nem mesmo iniciar a partida – ficava sincronizando e, após um tempo, caía. A Atlus, distribuidora do jogo, prometeu um patch que corrigirá esses problemas. Mas até lá, é mais um jogo de luta que sofre com problemas no modo online.

Outro defeito é o Story Mode. Apesar de ser interessante e serem poucos os jogos que possuem algo assim, ele fica bem atrás de outros, como Mortal Kombat e BlazBlue. Faltou mais dedicação por parte dos desenvolvedores.

De qualquer forma, The King of Fighters XIII é o jogo que os fãs esperavam. Os gráficos são lindos, trilha sonora ótima, vozes em japonês, muitas opções de cenários (quem jogou KOF XII sabe como isso é um ponto positivo), bastante conteúdo e opções de gameplay (Trials, Time Attack, Survival, Arcade, Versus, Story, etc), mais de 30 personagens; enfim, é um pacote completo. Resta apenas uma coisa a ser feita: treinar. Bastante.



— Resumo —


+
É o KOF que os fãs esperavam


+
Ótimos gráficos e trilha sonora


+
Bastante conteúdo





Modo Online horrível (atualmente)





Story Mode fraco

87%