AnálisesPS Vita

[PSN] Velocity Ultra

Análise

NOME: [PSN] Velocity Ultra
FABRICANTE: FuturLab Limited
PLATAFORMA: psvita
GENERO: Ação / Shooter
DISTRIBUIDORA: FuturLab Limited


LANÇAMENTOS
15/05/2013 15/05/2013 Não disponivel


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Resolução: qHD

Jogadores: 1

Troféus (inclusive Platina)

Leaderboards

Espaço necessário: 176 MB


Velocity Ultra é, originalmente, um título da linha PlayStation Minis chamado Velocity. Trata-se de um upgrade para o PlayStation Vita com troféus, gráficos em HD, atualização nos controles e suporte a rankings online. Mas o que é Velocity ou Velocity Ultra?

Um dos melhores jogos disponíveis na PSN. Velocity Ultra combina duas fórmulas de sucesso: simplicidade com um desafio progressivo.

Velocity Ultra é um “shooter de navinha” vertical. Ou seja, seu objetivo é chegar ao fim da fase que está no topo da tela. Mas a graça de Velocity Ultra são as suas mecânicas únicas de gameplay.

Você aprenderá cada habilidade de forma progressiva, sendo que no fim estará usando tudo com maestria. Ou seja, no início aprenderá a controlar a nave (que pode ser feito com o analógico ou com o D-Pad do Vita). Depois, entenderá como funciona o boost: segurando R, sua nave vai mais rápido – porém, você sentirá que a “tela” vai mais rápido na verdade. Pense que o botão R, portanto, controla a velocidade de progressão dela.

Com o tempo, você verá outras habilidades essenciais, como o teletransporte (mire com o quadrado ou pressione na tela de toque onde deseja se teletransportar), use o bola ou o analógico da direita para lançar bombas, enquanto que X atira (ambas munições são infinitas). Por fim, triângulo serve para liberar um sistema de checkpoint: marque o ponto e você poderá voltar a ele quando desejar segurando L e escolhendo ele no mapa. Todas essas habilidades são explicadas de forma que você entenderá perfeitamente – acredite, quando estiver nas fases finais, estará usando tudo ao mesmo tempo.

A única crítica quanto ao gameplay é em relação às bombas no analógico direito. Para lançá-las, você precisa “apertar” na direção desejada sempre que for preciso, e não só “segurar”. Se fosse “segurar” (pense em Super Stardust), seria muito melhor. Nas fases finais você ficará apertando o analógico da direita inúmeras vezes e isso cansa, além de não ser preciso o suficiente. E acredite: apesar do X atirar, você usará as bombas em 80% dos casos ao invés do tiro normal.

Uma outra crítica é em relação ao teletransporte: mesmo depois de masterizá-lo com o quadrado, ainda será estranho “mirar” onde deseja ser transportado. Há até um problema bizarro de colisão com isso: algumas raras vezes você se teletransportará para dentro de uma parede (mas poderá sair sem problemas, o que não é algo tão crítico). A tela de toque elimina esse problema, mas durante a ação frenética é difícil “soltar” os botões para tocar na tela de toque. Porém, é um problema mais pessoal isso: tenho certeza que muitas pessoas não terão problemas com o teletransporte, mesmo mirando através do botão quadrado.

Velocity Ultra possui uma história simples, contada através de algumas artes. Basicamente, o jogo se passa em 2212 e a estrela Vilio se tornou um buraco negro. A única nave capaz de salvar as pessoas próximas à estrela é a Quarp Jet que pode se teletransportar. A missão fica complicada com a invasão de uma raça alienígena.

A premissa é simples: existem 50 fases relativamente curtas (em média duram cerca de 40 segundos a 5 minutos). Em cada uma delas você precisa resgatar as cápsulas com sobreviventes (são os colecionáveis, portanto), destruir tudo que ver no caminho e solucionar espécies de puzzles. Os puzzles ficam mais desafiadores apenas nas zonas finais – você precisa destruir dispositivos de segurança (que variam entre 1 e 9) em uma determinada ordem para poder abrir o caminho. Há dispostivos de cores variadas que liberam a área da sua respectiva cor.

Ou seja, o que você fará em cada fase é: pegar todos os itens que puder (inclusive há áreas secretas), eliminar os inimigos/turrets e eliminar os dispositivos que bloqueiam o seu caminho. Parece simples, mas com as mecânicas de gameplay explicadas nos parágrafos anteriores tudo se torna único e divertido.

Velocity Ultra possui um conteúdo muito variado. Além das 50 fases do single-player, há 20 missões que precisam ser destravadas coletando itens escondidos na campanha. As missões são espécies de desafios, como passar uma fase o mais rápido que puder sem encostar na parede, por exemplo. Mas há também missões que não têm nada a ver com o gameplay do jogo e remetem a clássicos shooters do passado, como Space Invaders e Lunar Lander.

Ainda nesta seção de extras, você confere o seu progresso (troféus e outros desafios adicionais), as artes e até mesmo uma calculadora e um mini-game de campo minado (a ideia é simular uma CPU este menu).

Velocity Ultra é uma excelente adição à biblioteca do PlayStation Vita. Há uma relação custo-benefício ótima (o jogo custa apenas 7,49 dólares / R$15,99 em seu lançamento) e um fator replay imenso (além de tudo que foi dito na análise, você precisará obter um ranking perfeito nas 50 fases para obter a platina. Acredite: isso é muito desafiador – mas completar a campanha não é tanto, por isso há um balanço perfeito). No entanto, como pontos negativos, ficam o analógico da direita para as bombas como já foi dito e o sistema de save: toda vez você precisa voltar para o menu e salvar seu progresso, antes de sair do game. Admito que não sei se o jogo salva se não fizer isso (não quis arriscar), mas o ícone de “salvando” não apareceu em outro momento a não ser quando se fazia isso. Outro ponto negativo são os visuais num geral: eles não impressionam, além de serem bastante repetitivos nas 50 fases.

Jogo analisado com código fornecido pela desenvolvedora.


— Resumo —


+
Mecânicas de gameplay somadas geram experiência única


+
50 fases, 20 missões, colecionáveis e muito mais


+
Relação custo-benefício


+
Obter altas pontuações nas fases é desafiador


+
Missões são bem boladas e possuem homenagens a clássicos do passado





Analógico para bombas precisa ser “apertado” ao invés de “segurado”





Visuais

90%