AnálisesPS3

[PSN] Dead Nation

Análise

NOME: [PSN] Dead Nation
FABRICANTE: Housemarque Oy
PLATAFORMA: ps3
GENERO: Tiro isométrico
DISTRIBUIDORA: Sony Computer Entertainement


LANÇAMENTOS
01/12/2010 01/12/2010 Não disponivel


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Número de jogadores: 1-2 local, 2 online

Leaderboards

Headset

Trophies


O mercado de jogos hoje está quase saturado de jogos com zumbis de alguma forma, seja no seu cerne ou em algum modo secundário. De Left 4 Dead a Call of Duty: Black Ops, sem esquecer de Dead Rising e Red Dead Redemption: Undead Nightmare, exemplos não faltam. Nesse cenário, alguém pode muito bem se perguntar: "Eu preciso de mais um jogo de zumbis pra minha coleção?". A resposta, então, poderia ser a seguinte: "Sim. Se o jogo em questão for Dead Nation".

Dead Nation (DN) é um jogo de tiro com câmera isométrica, ou seja, os cenários são sempre vistos por cima, de um ângulo levemente inclinado e o jogador não possui controle sobre ela. Ele foi desenvolvido pela finlandesa Housemarque (de Super Stardust HD e Outland) e tem como objetivo simplesmente matar zumbis. Apesar de parecer simplesmente "mais um", DN é muito mais que isso.

Dead Nation é um jogo longo, com 10 missões que podem durar de 30 minutos a mais de uma hora cada, dependendo da dificuldade em que você joga, e que estimula você a terminá-lo várias vezes para enfrentar desafios maiores e conseguir novos itens. Para os caçadores de troféus, ele tem um conjunto completo incluindo uma platina. A história do jogo é até interessante, e é contada entre as fases em belos desenhos com animações discretas e com boas atuações de vozes.

Os controles são parecidos com o de Super Stardust HD: você controla o personagem com o analógico esquerdo e mira com o direito. R1 atira, L1 usa o item equipado, R2 é  ataque físico e L2 é a corrida. Todos os botões são customizáveis, então se você não gostar de algo, basta mudar a opção para uma que o agrade. Particularmente achei a recarga das armas no R3 algo muito chato de fazer, então passei ela para o botão quadrado e tudo ficou ótimo.

Você começa o jogo com uma arma básica, um rifle-semi automático com munição infinita, e a cada fase nova surgem novas armas para serem compradas, de uma sub-metralhadora automática a um lança-chamas e um lança-mísseis, há diversas armas que são realmente úteis e apropriadas para diferentes situações. Cada arma tem várias características que podem ser melhoradas, como o tamanho do pente ou o dano de cada bala, o que estimula o jogador a explorar as fases e matar todos os inimigos em busca de dinheiro.

As compras são todas feitas em lojas de armas localizadas no decorrer das fases, sempre antes de um checkpoint. É um detalhe de design muito bom, pois nas áreas da loja não há inimigos e você pode calmamente fazer as suas compras e definir quais armas quer melhorar e como, para então, quando terminar, ativar o checkpoint, evitando que uma morte faça você comprar tudo novamente. Nas lojas também se configura as diferentes partes de armadura que são encontradas nas fases, geralmente em locais bem escondidos, e você pode customizar seu personagem da maneira que preferir.

Além das armas de fogo você também conta com um ataque físico, útil para situações de emergência, e uma corrida para escapar de zumbis prestes a prender você e matá-lo rapidamente. Essa corrida dura poucos segundos e demora vários deles para poder ser usada novamente, então a estratégia é essencial nessas horas. O jogo também oferece itens auxiliares como granadas, minas, sinalizadores e coquetéis Molotov, que ajudam a distrair e destruir os zumbis nas horas de desespero. Saber dosar bem o uso desses itens, em conjunto com as diferentes armas, é algo que leva um tempo pra aprender e é muito recompensador.

O jogo possui diversos níveis de dificuldade, de um extremamente fácil até um absurdamente difícil. Você pode jogar todas as fases sozinho, mas você não vai querer isso. O jogo é ótimo assim, mas fica melhor ainda se jogado com um amigo, seja localmente ou pela PSN. A partir da dificuldade Grim (equivalente a um Hard) eu diria que é essencial você jogar acompanhado. Os inimigos são muitos, causam muito dano e demoram para morrer, sem contar que eles podem vir de qualquer direção a qualquer momento. Considerando que há duas dificuldades ainda maiores que essa, ter dois jogadores para dividir a atenção dos inimigos ajuda a balancear a dificuldade e torna Dead Nation mais "humano".

A cooperação entre os jogadores é muito importante, e logicamente a comunicação também. Jogar pela PSN sem um headset não vale a pena, pois você precisa se coordenar o tempo todo com o seu parceiro. Vocês devem combinar estratégias de jogo, por onde avançar, quais armas usar, quais itens usar e em que ordem, pra onde fugir quando a coisa ficar feia e assim por diante. Não dá pra simplesmente jogar e esperar que as coisas aconteçam, vocês terão que acertar os detalhes e partir para a briga bem preparados.

A experiência de jogar online seria perfeita se não fossem os constantes problemas de desconexão. Contabilizei dezenas de vezes em que o jogo me deixava criar um lobby, convidar meu amigo, iniciar a partida, assistir a cutscene inicial da fase, começar a ter controle do personagem para então desconectar abruptamente e sem nenhuma explicação posterior. Por vezes esse processe se repetia por duas ou três vezes, tanto comigo criando quanto com o meu amigo o fazendo. Esse problema também era frequente sempre que passávamos para a próxima fase: quando ela era carregada, o jogo finalizava sozinho. Era muito irritante.

Mesmo com esses problemas eu continuava sempre querendo jogar mais. Dead Nation é um ótimo jogo e é muito divertido, então esses problemas acabam ficando em segundo plano quando a ação está à toda. A jogabilidade é afiada, os gráficos são excelentes, com efeitos de luz e sombras muito bons, e a parte sonora não deixa a desejar com músicas bem adequadas a cada situação e efeitos sonoros bem trabalhados, que ajudam a identificar inimigos especiais ou potenciais perigos que estão por vir. DN ainda possui um meta-jogo entre os países do mundo, com cada jogador ajudando o seu país de origem a livrar o planeta de zumbis. Todas as estatísticas de inimigos mortos por partida são registradas nas leaderboards e são atualizadas constantemente.

Minha maior reclamação fica por conta da limitação de dois jogadores por partida. Dead Nation tinha potencial para ser ainda mais divertido e caótico com quatro jogadores ao mesmo tempo, cada um com uma arma diferente e todos se ajudando para avançar pelas fases. Com alguns ajustes, como áreas mais largas e talvez uma câmera mais adaptativa, que se afastasse quando os jogadores se distanciassem, isso seria não só plausível como faria com que Dead Nation se tornasse ainda mais "rejogável".

Contudo, Dead Nation ainda tem muito valor e é simplesmente um dos melhores jogos da PSN, e para alguns ele é O melhor. É longo, difícil, divertido e viciante. É um jogo que é realmente aproveitado se jogado com um amigo e em uma das dificuldades mais altas. Vocês irão suar para passar de cada área, irão sofrer para chegar ao próximo checkpoint e irão xingar muito quando não conseguirem passar de uma área com vários inimigos, e vão adorar cada minuto disso.

— Resumo —

+ Longo
+ Desafiador
+ Co-op excelente
+ Várias armas e itens que podem ser melhorados
+ Conjunto completo de troféus (incluindo platina)
+ Meta-jogo entre os países
+ Grátis durante o programa Welcome Back (junho de 2011)

Problemas constantes de desconexão
Falta de suporte a mais de 2 jogadores

93%