AnálisesPS3

Metal Gear Solid HD Collection

Análise

NOME: Metal Gear Solid HD Collection
FABRICANTE: Kojima Productions/Bluepoint Games/Genki/Aspect
PLATAFORMA: ps3
GENERO: Coletânea/Stealth
DISTRIBUIDORA: Konami


LANÇAMENTOS
03/02/2012 03/02/2012 10/11/2011


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Definição HD: 720p

Jogadores: 1

Headset

Troféus (3 platinas)

Transfarring

3D


Quem vê o sucesso da franquia Metal Gear Solid (MGS) talvez não se dê conta do início tímido de Solid Snake no MSX, com Metal Gear e Metal Gear 2: Solid Snake. O enredo denso e os personagens carismáticos já datam destes dois antigos jogos de MSX, mas a série cementou sua popularidade ao migrar para o 3D no PS1 – recebendo, assim, o subtítulo Solid (não, o jogo não se chama Metal Gear Solid por ser com Solid Snake, e sim pela transição para o 3D) e sendo elevado a uma popularidade invejável. MGS1 é carta marcada em quase qualquer lista dos melhores jogos de todos os tempos, e juntamente com suas sequências para PS2, PSP e PS3, firmou-se como uma das séries de maior sucesso para os videogames da Sony.

Esta coletânea, intitulada Metal Gear Solid HD Collection (HD Collection) nos traz 3 jogos: MGS2: Sons of Liberty (SoL), MGS3: Snake Eater (SE) e MGS: Peace Walker (PW). Os dois primeiros são títulos do PS2, enquanto o último foi lançado para o PSP há pouco mais de um ano. São 3 jogos de absoluto sucesso de crítica e comercial, e que não devem passar em branco por qualquer dono de PS3.

O simples fato de HD Collection conter estes 3 jogos a um preço baixo (40 dólares para os que comprar no exterior) já é razão suficiente de uma recomendação altíssima, mas a verdade é que a coletânea de MGS é um exemplo de como um pacote destes deve ser. O primeiro ponto que se nota, obviamente, são os gráficos. Os 3 jogos receberam upgrades de resolução e textura e são muito belos, mesmo para os padrões de hoje. É óbvio que a qualidade gráfica não se compara aos Uncharteds e Killzones do PS3, mas considerando-se que são jogos de uma geração passada, é impressionante como os ambientes se mantêm bonitos e como os personagens são detalhados. Estes foram considerados alguns dos jogos de visual mais bonito de suas épocas, e não fazem feio – SE é especialmente impressionante, mais ainda por ter nada menos que 7 anos de idade. Melhor ainda, os 3 jogos rodam a 60 fps cravados, sem nenhuma sombra de Slowdown. É impossível olhar esta coletânea e não ficar ainda mais decepcionado com a conversão mal-feita da Capcom para com Resident Evil 4 ou da Ubisoft para com suas trilogias de Splinter Cell e Prince of Persia.

Melhor ainda, a Konami não caprichou apenas nos gráficos. Começando pelo supostamente “menos jogado”, PW se beneficia dos dois controles analógicos do Dual Shock 3 e oferece uma experiência de jogatina vastamente superior à encontrada no PSP. O modo online de PW se mantém intacto e há uma série de missões extras que podem ser jogadas em grupos. A interação online é ótima e eu nunca tiver problema algum para jogar, tanto servindo de Host quanto me juntando a outro jogador.

Além disso, SoL e SE estão presentes em suas versões Substance e Subsistence, respectivamente, o que dá a cada um uma quantidade cavalar de conteúdo extra. SoL conta com 300 VR Missions e o modo Snake Tales, enquanto SE contém camuflagens extras em relação à versão original, e ainda conta com nada menos que Metal Gear e Metal Gear 2: Solid Snake completos, em suas versões de MSX. Uma ausência notável é o modo online de Subsistence, mas é algo que consigo relevar completamente, frente ao pacote que temos em mãos. Completando o pacote de fan-service, HD Collection tem uma platina para cada jogo – todas são trabalhosas e garantirão horas de diversão para os caçadores de troféus.

É óbvio que muito do apelo de HD Collection vem da nostalgia de fãs, e não é sempre que mecânicas de jogabilidade conseguem atravessar gerações. Nós estamos em uma era em que se pode andar enquanto se mira e atira, e não há dúvidas de que ter que mudar para uma visão em primeira pessoa com R1 e atirar com quadrado é um tanto desconfortável após tanto tempo de Uncharted, Dead Space e tantos outros. PW possui vários esquemas de controle, mas SoL e SE permanecem com os mesmos esquemas de quando lançados. Não que os controles cheguem a ficar no caminho do jogador, mas uma opção de customizar os controles, nem que fosse para mirar com L1 e atirar com R1, seria bem-vinda nesses dois jogos. De resto, o design excelente de fases garante jogos stealth divertidos que não perderam o charme.

Por fim, é sabido que uma versão para o PS Vita está a caminho, e isso nos leva ao Transfarring. Transfarring é um método que promete integrar os jogos de PS3 e Vita, permitindo ao jogador começar a jogar em um dos consoles, salvar seus dados e baixá-los no outro videogame, continuando de onde parou. É uma premissa interessante e que não se sabe exatamente como será implementada (leia-se: se teremos que comprar o mesmo jogo duas vezes), mas independentemente disso, HD Collection já é o pioneiro do sistema.

Não há muito o que comentar sobre MGS HD Collection. 3 jogos excelentes, a baixo preço, numa conversão HD de fazer as outras empresas corarem de vergonha, com conteúdo para centenas de horas de jogo e um dos melhores enredos dos videogames. Imperdível para fãs e recomendadíssimo para quem conheceu a série apenas com Guns of The Patriots.

— Resumo —

+ Conversão impecável.
+ 3 jogos excelentes a um preço reduzido.
+ SoL e SE estão em suas versões Substance e Subsistence.
+ Mecânicas de jogo envelheceram bem.
+ Peace Walker com Dual Analog.
+ Pioneiro do método Transfarring.

Modo Online de Subsistence está ausente
Poderia haver customização de controles.

95%