AnálisesPS3

inFamous 2

Análise

NOME: inFamous 2
FABRICANTE: Sucker Punch Productions
PLATAFORMA: ps3
GENERO: Ação / Aventura / Open-world
DISTRIBUIDORA: Sony Computer Entertainement


LANÇAMENTOS
10/06/2011 10/06/2011 07/07/2011


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Definição HD: 720p

Jogadores: 1

Troféus

Conteúdo gerado por usuários

Disponível na PlayStation Store


Quando inFamous foi lançado, em 2009, dava muito a impressão de que a Sucker Punch estava desesperada para entrar no mercado de jogos de heróis, mas sem contar com franquias de grandes empresas como Marvel e DC. E a verdade é que de certa forma ela conseguiu produzir um jogo bastante interessante em um universo claramente inspirado em histórias em quadrinhos. E que se por causa dos seus defeitos não conseguiu ser um jogo excelente, pelo menos conseguiu ser marcante na biblioteca de títulos first-part da Sony.

inFamous 2 é a exata e instantânea seqüência da aventura de Cole MacGrath, o herói de inFamous. Agora que o conduíte (denominação do jogo para não utilizar a palavra mutante e correr o risco de ver Cole lutando ao lado de Wolverine ou Homem-Aranha) dotado de poderes elétricos sabe qual é o seu objetivo, ele ruma para New Marais, no sul dos Estados Unidos (claramente inspirada em New Orleans, tendo inclusive uma área inundada em virtude de um furacão) onde um cientista seria capaz de aumentar seus poderes. A história não é das melhores, e deixa brechas para dar e vender, mas cumpre a promessa de dar à aventura uma cara indiscutível de HQ.

O jogo segue a mesma fórmula de sand-box do jogo anterior, onde não temos tanta liberdade como em um GTA, mas ainda assim podemos realizar atividades como desejamos, e sempre livres para modos free roam. Entretanto, as missões são relativamente lineares, tendo que ser realizadas em certa seqüência específica. E as missões secundárias, como sempre abundantes em jogo deste estilo, têm a peculiaridade de serem absolutamente desnecessárias para o fluir do jogo. Embora elas sejam obrigatórias para a aquisição de alguns poderes específicos, você pode finalizar o jogo sem realizar uma delas sequer.

O que também é estranho é perceber que a alardeada característica de escolhas morais do jogo, que inclusive é o motivo de seu título, continua sem influenciar nem um pouco a jogabilidade e o que se é esperado do jogo. Sim, o seu nível kármico determina o fluxo da história, fornecendo finais diferentes. Mas tirando isso, o que você verá do nosso querido Cole Macgrath são apenas cores diferentes para a roupa e a pele do personagem.

inFamous 2 até tentar fazer com que as escolhas do personagem tenham alguma influência no fluir do jogo (por exemplo, garantindo poderes diferentes de acordo com as suas escolhas), mas as possibilidades acabam sendo tão semelhantes que faz pouquíssima diferença para a experiência do jogador qual perfil ele escolhe.

A forma como as escolhas morais são realizadas também continua um tanto quanto imatura. São simples escolhas binárias, com mínimas conseqüências, como salvar doentes para ser bom, e silenciar artistas de rua (apenas porque seu amigo Zeke não gosta deles, motivo mais sem-vergonha do planeta) para ser mal.

A escalada estilo Parkour continua uma marcar registrada do jogo. E não mudou nem um pouco do que tínhamos no jogo anterior. Além de não ser tão boa quanto a de jogos como Assassin’s Creed, ainda nos pegamos escalando prédios mais vezes do que seria aceitável. De repente o sistema que adquirimos ao final do jogo para facilitar as escaladas seria melhor aproveitado se fosse fornecido logo no começo do jogo.

Já a utilização dos poderes de Cole continua boa como no jogo anterior. A variedade de poderes continua excelente, a forma como eles são acessados é bem simples e intuitiva, o que torna os combates a parte mais prazerosa do jogo. As formas de acabar com os inimigos são as mais diversas, e agora ainda temos uma opção de combate corpo-a-corpo, utilizando um dispositivo criado pelo seu inseparável amigo Zeke. Talvez o único problema seja que agora bastam poucos tiros ou ataques para os inimigos darem cabo de Cole, o que tornou a experiência em geral um tanto quanto mais difícil, obrigando constantes fugas da luta para recuperar a energia.

Os gráficos de inFamous 2 são de bom nível, mesmo não sendo particularmente especiais. Grande variedade de prédios e transeuntes, iluminação muito bem encaixada e excelentes animações dos poderes são os seus pontos principais. As cutscenes também são muito boas, embora pareçam um pouco travadas algumas vezes. E o destaque vai para os títulos dos filmes a disposição nos cinemas, impagáveis, e a uma loja de eletrônicos disponível em toda cidade que faz alusão a certo defeito crítico de um console da concorrência.

inFamous 2 segue a nova diretriz da Sony de tradução para o Português do Brasil tanto de suas legendas quanto de seu áudio. E a barra de parâmetro subiu um pouco mais. Embora a dublagem ainda possua vez ou outra um erro de concordância ou de tradução, inFamous 2 possui disparado a melhor dublagem para pt-BR de um jogo da nova geração. Os diálogos são muito bem realizados, transparecendo claramente as emoções dos personagens. As expressões são maduras e reais, com uso de gírias realmente comuns. Os xingamentos existem quando necessário, de forma correta, sem aquele exagero que tínhamos em Killzone 3.

Embora inFamous 2 não possua um modo competitivo ou cooperativo online, temos uma adição interessante, que é a possibilidade de criar ou jogar missões de outros usuários. É uma idéia bastante interessante e que permite um maior aproveitamento do jogo. As possibilidades de criação são enormes, estilo LittlebigPlanet, mas da mesma forma, existem centenas de missões inúteis ou mal-feitas. É um mal da criação colaborativa de conteúdo. Mas basta ficar de olho nas missões sugeridas pela Sucker Punch para se divertir mais um bocado com o jogo.

inFamous 2 não é absolutamente indispensável em nenhum dos seus pontos, mas cumpre a promessa de ser um jogo divertido enquanto dura. A possibilidade de dois finais diferentes garante pelo menos umas 20h de jogo e a adição das missões online o tornando em um LittleBigCole é positiva e tem potencial para manter o jogo vivo por bastante tempo. A dublagem sem dúvida é um ponto de grande destaque para nós brasileiros, e juntamente aos combates é o seu ponto principal. Sem dúvida vale pelo menos uma alugada, e os compradores não se arrependerão. E caso você queira dar uma economizada, aproveite que a edição digital está disponível na PSN, por US$ 59, em um download de 15GB.

 

Outra opinião – Bruno Ferreira Machado


inFamous (o original) foi uma ótima surpresa para mim. Eu não esperava muito quando o joguei, e fui muito surpreendido com uma história legal, ótimos personagens e uma ambientação excelente (apesar de Empire City ser muito "cinza"). Em um ano repleto de grandes jogos como Arkham Asylum, Uncharted 2 e outros, inFamous conseguiu se destacar com louvor. Essa sequência, na minha opinião, conseguiu superar o original em todos os aspectos, menos na "inovação". inFamous 2 é um ótimo jogo, mas não tem o mesmo impacto do original.
 
Eu não gosto do novo Cole e achei a mudança de visual, voz e personalidade dele muito ruim. Ele antes era um cara comum, um mau-humorado com uma voz rouca que o caracterizava bem. Agora ele é um herói (ou vilão) genérico, com uma voz ruim e apática e com personalidade idem. Todos os outros personagens são mais interessantes que ele, até mesmo a sem-graça Kuo. Ele, em diversos diálogos, soa forçadamente "espertinho" e isso me desagradou muito.
 
O jogo tem dublagem em português e ela me surpreendeu positivamente. Eu geralmente abomino essas dublagens, porque sempre são forçadas e muitas vezes são simplesmente péssimas (como a de Killzone 3), mas em inFamous a dublagem soa mais natural do que eu esperava, e algumas vozes são realmente boas. É um sinal excelente de que o Brasil está se tornando cada vez mais um mercado essencial para as produtoras.
 
A jogabilidade continua ótima e os novos poderes ajudam muito a navegar pelos cenários. Os upgrades são mais fáceis de serem comprados, ou pelo menos pareceu para mim, diminuindo muito o grind que o jogo original tinha. Os colecionáveis (blast shard e dead drops) também estão mais fáceis de serem encontrados, contanto que você esteja disposto a explorar todo o mapa.
 
Em suma, inFamous 2 é um jogo muito bom e extremamente viciante. Você vai perder horas buscando os colecionáveis, realizando as missões opcionais e procurando boas missões criadas pelos usuários. As ferramentas de criação são boas e permitem uma grande variedade de missões, e alguns usuários têm explorado bem isso. É uma boa forma de ampliar a longevidade de inFamous 2. Porém, o jogo para mim não teve o mesmo impacto do primeiro, e a Sucker Punch conseguiu me fazer desgostar do protagonista com as mudanças (desnecessárias) que ela fez.
80%