AnálisesDLCPS4

Royal Pack (Final Fantasy XV)

Análise

NOME: Final Fantasy XV
FABRICANTE: Square Enix
PLATAFORMA: ps4
GENERO: RPG
DISTRIBUIDORA: Square Enix


LANÇAMENTOS
06/03/2018 06/03/2018 06/03/2018


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Não disponivel


Final Fantasy XV mostrou-se um jogo ame ou odeie desde o seu lançamento. No entanto, em um ponto é preciso concordar: o suporte da Square Enix ao título tem sido fora de série. Não satisfeita com os DLCs do Season Pass e várias atualizações gratuitas, a companhia já prometeu praticamente mais um ano de conteúdo adicional.

O que nos leva ao (de certa forma polêmico) Royal Pack. Antes de nos adentrarmos na análise do DLC, é preciso esclarecer o que o jogo recebeu recentemente.

No dia 6 de março, FFXV contou com três coisas distintas: Royal Pack (que discutiremos nesta análise), Royal Edition e uma atualização gratuita. A Royal Edition é, simplesmente, a edição completa do jogo e que inclui, além do game, todo o conteúdo do Season Pass e o Royal Pack. Em outras palavras, é a versão completa “até o momento”, pois como dito haverá mais um ano de DLC.

A atualização gratuita trouxe, principalmente, novidades ao DLC multiplayer Companheiros. Apesar dela ter sido focada no online desta vez, não podemos esquecer que muitas coisas novas foram adicionadas ao game desde o lançamento via patches.

Esclarecido isso, podemos detalhar o que o Royal Pack oferece.

O Royal Pack é um DLC diferente. Ele não adiciona um modo no menu ou uma quest no jogo. São várias adições ao jogo base que são acessadas de diferentes formas. Ou seja, se a pessoa nunca jogou FFXV, é possível que ela nem saiba diferenciar o que é do jogo base ou do Royal Pack. Porém, para quem jogou, o conteúdo é significativo.

A principal adição é uma expansão gigantesca no mapa de Insomnia no capítulo 14 do jogo (próximo ao fim). Além de explorar toda a cidade que Noctis deveria governar, há novas cutscenes e dois novos chefes: Cerberus e Omega. Cerberus surge como um “cão de guarda” de Ardyn, tornando-o um chefe obrigatório para quem possui o DLC. Já Omega é um chefe opcional e desafiador (seu nível é 119 e quase nenhum ataque nele causa dano).

Há ainda novos chefes próximo ao final (Rulers of Yore) que não entrarei em detalhes para que você tenha surpresas.

Outra grande novidade é a embarcação real. Se você jogou FFXV, lembra-se de como chegou em Altissia (onde Luna estava)? Foi com um barco e você só aproveitou a paisagem. Agora, esse barco é completamente controlável, permitindo que você explore o oceano. Há algumas novidades aqui, inclusive um encontro com certo ser celesital. Você pode até pescar no mar, se for fã desse sistema, e encontrar novos tipos de peixes.

Apertando L3 e R3, você entra agora no modo em primeira pessoa. Apesar da visão, a câmera não segue as cambalhotas que Noctis faz (ainda bem). É uma adição válida e interessante, mas não é algo que o jogo precisava exatamente (a não ser que você queira ver o decote da Cindy em detalhes).

O Royal Pack conta ainda com outros extras: “Armiger Unleashed” (se você tiver as 13 armas reais, poderá ativar isso após encontrar um acessório específico), os arquivos (lembra-se dos livros que você via ao longo do jogo? Agora pode acessá-los em um menu de pause, que conta com outras informações) e até uma quest para adquirir o Regalia Type-D (o carro off-road) e melhorá-lo (e participar de corridas).

Em outras palavras, o Royal Pack funciona como uma atualização paga e não como um DLC propriamente dito. As adições são bastante significativas em sua maioria, mas acessar as novidades é um pouco estranho para quem já terminou o jogo (fora que os arquivos, por exemplo, precisam ser obtidos do zero, o que significa andar por todo o mundo do jogo, inclusive recomeçando do zero se deseja pegar tudo). As adições à parte final do jogo são bem-vindas, mas fica um gosto de que isso poderia ter sido gratuito para quem apoiou o jogo desde o início ou com um preço mais em conta.

Veredito

Royal Pack de Final Fantasy XV adiciona algumas novidades significativas e bem-vindas. As batalhas contra os novos chefes (assim como todo o mapa de Insomnia), o modo em primeira pessoa e o barco em Altissia fazem o DLC valer a pena. No entanto, seu preço não condiz com o pacote, infelizmente.

DLC analisado com código fornecido pela Square Enix.

70%