AnálisesPS3

Devil May Cry 4

Análise

NOME: Devil May Cry 4
FABRICANTE: Capcom
PLATAFORMA: ps3
GENERO: Ação
DISTRIBUIDORA: Capcom


LANÇAMENTOS
08/02/2008 08/02/2008 31/01/2008


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Nº de Jogadores: 1

Definição HD: 720p


Tenho que começar essa análise contando sobre a série. Devil May Cry é a mais nova série de grande sucesso da Capcom, junto com outros clássicos como Street Fighter, MegaMan e Resident Evil. O primeiro jogo foi criado ao acaso. “Diz a lenda”, que existia uma versão do 1º Resident Evil para PlayStation que fazia o protagonista ficar atirando e pulando que nem um louco. O jogo foi corrigido e acabaram esquecendo esse assunto. Em 1998, depois que o desenvolvimento de Resident Evil 3: Nemesis foi finalizado, começaram a trabalhar em Resident Evil 4, que contou com pesquisas em castelos que serviram de base aos ambientes do jogo. Ainda protótipo, RE4 acabou ficando muito diferente do jeito tradicional já conhecido da série e iria ser arquivado. Iria, pois os desenvolvedores associaram todos esses elementos já contados e criaram a seguinte fórmula: Bug do RE1 + protótipo de RE4 + grande conhecimento sobre castelos = Devil May Cry.

Assim nasce Dante, o caçador de demônios. A série nasceu exclusivamente no PlayStation 2 com o primeiro Devil May Cry em 2001. Depois de 2 anos, 2003, foi lançado Devil May Cry 2 também para o PS2, que acabou decepcionando seus fãs. Mais 2 anos, em 2005, a série voltou a brilhar com Devil May Cry 3: Dante’s Awakening, novamente exclusivo para PS2, mas depois recebeu uma edição especial que foi lançada para PC e PS2. Devil May Cry 4 é a estréia de série na nova geração e com certeza arrebentou, como você verá agora.

 

 

DMC4 gira em torno de Nero, novo protagonista da série. Ele faz parte de uma organização religiosa chamada Order of the Sword, que adota os ideais do lendário demônio Sparda, que salvou a humanidade a milhares de anos atrás. Certo dia Nero testemunha um massacre nunca imaginado: Dante, o caçador de demônios e filho de Sparda, matando um a um os membros da organização. Sem entender absolutamente nada, Nero ataca Dante, mas esse acaba fugindo. Kyrie, amiga de Nero por qual ele tem muito apresso, acaba sendo raptada. Nero sai em resgate de sua amada e acaba entendo que a Order of the Sword não é bem o que parece, e que Dante estava fazendo a coisa certa para a humanidade. Agora mais detalhes sobre a história super-envolvente do jogo é só jogando.

 

 

Os gráficos do jogo são os padrões para os de hoje em dia. Na época que saiu (começo de 2008), esse era um dos títulos de melhores gráficos do console. As animações em CG (computação gráfica) são muito bem feitas e as expressões faciais são impecáveis. No geral, são só alguns detalhes que podem atrapalhar o aproveitamento dos gráficos, mas que quase sempre são passados despercebidos. As músicas características da série estão na melhor qualidade: rápidas e eletrizantes para melhorar a ação. Algumas pessoas podem achá-las repetitivas, o que é mesmo, mas demora um pouco para achar isso.

 

 

Na jogabilidade, as inovações rolam soltas. Mais ou menos metade do jogo você controla Nero, na outra metade é Dante. Para os que não conhecem, DMC mescla batalhas com armas brancas (espadas) e armas de fogo. Em DMC4 não é diferente: Com Nero, você tem à disposição a espada Red Queen (que é capaz de carregar força para ataques mais fortes), o revolver Blue Rose, e o novo Devil Bringer (mão demoníaca do personagem, podendo dar ataques físicos, puxar o inimigo para perto ou até arremessá-los). No controle de Dante, todas as suas já conhecidas habilidades estão disponíveis, inclusive o Devil Trigger (habilidade de se transformar em um demônio completo). Ainda com Dante, várias armas são ganhas no decorrer do jogo, mas sua espada principal Rebellion, e suas clássicas pistolas Ebony & Ivory estão disponíveis dês do inicio. O sistema de Orbs ainda é o mesmo: Red Orbs para comprar coisas; Green Orbs recupera a barra de vida; Purple Orbs recupera a barra de Devil Trigger; e Blue Orbs para aumentar o tamanho da barra de vida. As habilidades não são compradas mais com Red Orbs, e sim com Proud Souls, ganhadas após completar as missões.

 

 

Para quem gostou mesmo do jogo, o fator replay é muito grande. Os níveis de dificuldade estão divididos em Human (fácil), Devil Hunter (normal), Son of Sparda (difícil) e Dante Must Die (muito difícil), além dos modos extras Heaven or Hell (com um ataque você morre, mas com um ataque você mata o inimigo) e Hell or Hell (com um ataque você morre e a vida do inimigo esta normal). O jogo ainda conta com o Blood Palace, o clássico modo de matar todos os inimigos por vários estágios sem morrer. Ele não possui troféus e nem há planos para uma atualização, o que tornaria o replay bem maior, além de ser um estímulo a mais para os que se aventurarem nos modos mais difíceis.

 

 

O jogo é muito curto para os que terminam o modo história só uma vez e no nível mais fácil. Esse é o principal motivo de muitos que compraram ter vendido ou trocado seu jogo, além de não ter nenhum suporte online.

Devil May Cry 4 é uma obra prima, tanto tecnicamente quanto em história, e que não pode ser deixado de lado, ainda mais pelos fãs da série ou pelos amantes de jogos do gênero.

88%