AnálisesPS Vita

Danganronpa V3: Killing Harmony

Análise

NOME: Danganronpa V3: Killing Harmony
FABRICANTE: Spike Chunsoft
PLATAFORMA: psvita
GENERO: Visual Novel
DISTRIBUIDORA: NIS America


LANÇAMENTOS
29/09/2017 29/09/2017 12/01/2017


INFORMAÇÕES ADICIONAIS E SUPORTE
Resolução Máxima: qHD

Nº de Jogadores: 1

Troféus (com Platina)

Espaço necessário: 3 GB

Compatível com PSTV

Disponível na PlayStation Store


Danganronpa V3: Killing Harmony é o mais novo capítulo da série Danganronpa para PlayStation 4 e PlayStation Vita, que foi nascer lá no PlayStation Portable no Japão, mas só foi chegar ao Ocidente por meio do PlayStation Vita, posteriormente também lançado para PlayStation 4 e PC. Assim como os jogos anteriores, este foi desenvolvido pela Spike Chunsoft e publicado no Ocidente pela NIS America.

Para começo de conversa, e para aqueles talvez não saibam, é possível sim jogar Danganronpa V3: Killing Harmony sem nunca antes ter jogado nenhum outro jogo da série. De certa forma, é um recomeço para a premissa fundada pelos jogos anteriores, mas não são necessários para aproveitar este jogo. Claro, fica o aviso de que ele contém spoilers retroativos aos jogos passados, então se você seguir a ordem cronológica e deixar este jogo para o final, conseguirá aproveitá-lo sem estragar as surpresas que cada título contém.

Jogadores de primeira viagem, fiquem sabendo que Danganronpa não é para os fracos de coração. A premissa do jogo segue um grupo de dezesseis estudantes com talentos incomparáveis, todos presos dentro de uma escola, sem qualquer chance de escapar… a não ser que participem do jogo proposto pelo mascote, Monokuma, de matar um de seus colegas e conseguir sair impune da investigação e julgamento que ocorrem após o assassinato.

Você controla Kaede, a protagonista do jogo que, após acordar numa escola sem qualquer memória de como chegou lá, descobre todo o jogo sórdido ao qual foi acabar participando, e sem qualquer chance de escapar a não ser participar de tal competição, precisa encontrar outro jeito de sobreviver e conseguir libertar todos daquela prisão.

O jogo segue basicamente três períodos de jogabilidade: o período de ambientação, no qual você se aproxima dos outros alunos e descobre mais sobre cada um; o período de investigação, quando acontece algum crime dentro da escola; e o julgamento, no qual os alunos precisam desvendar quem foi o culpado por qualquer assassinato que ocorra dentro da escola. Se os alunos conseguirem desvendar, só o culpado irá ser punido, mas caso não consigam, todos os alunos inocentes serão punidos e o culpado poderá sair da escola.

O jogo, sendo uma visual novel, é contado por meio de muito diálogo entre os personagens, mas também possui jogabilidade, sendo mais versátil em comparação a outros do gênero. O jogador se locomove pela escola, interage com objetos, conversa com outros personagens e inclusive contribui ativamente nos julgamentos, refutando afirmações feitas por seus colegas, concordando ou até mesmo mentindo. Cabe ao jogador chegar ao verdadeiro culpado após cada caso se quiser continuar vivo mais um dia.

A arte de Danganronpa V3 é feita pelo mesmo artista dos jogos anteriores, porém com um traço mais refinado, com o tempo que o artista já vem trabalhando na série. Os personagens possuem traços e características bem distintas, não só na arte como também na caracterização, o que ajuda bastante o jogador a se afeiçoar por cada personagem de uma maneira diferente. O jogo não possui problemas de performance no geral, porém na versão de PlayStation Vita, você pode reparar na baixa resolução de algumas animações.

A trilha sonora também é uma marca registrada da série, bem diferente de qualquer outro jogo no mercado, trazendo trilhas inéditas. O jogo é dublado em inglês e japonês, mas na versão de PlayStation Vita é preciso baixar o arquivo com o áudio em japonês direto da PlayStation Store, que também melhora o áudio do jogo no geral, uma vez que o áudio original desta versão tem uma qualidade muito ruim. Para quem decidir pegar tal versão, recomendo baixar o referido arquivo antes de começar.

Por fim, devo falar do jogo no geral e do que ele traz para os jogadores. Danganronpa V3: Killing Harmony inova em inúmeros pontos, nada estranho para uma série que possui as melhores reviravoltas dos jogos japoneses dos últimos tempos. No entanto, ao mesmo tempo, foi desenvolvido para trazer um pouco do “mais do mesmo” para jogadores que sempre ficam ansiosos para o próximo “killing game”. O jogo quebra muitos paradigmas, mas também mexe muito com a percepção do jogador como um todo. Seu final é, no mínimo, bastante intrigante para quem vem acompanhando a série desde seu começo.

É possível chegar ao final de Danganronpa V3: Killing Harmony em 30 horas, caso o jogador pule toda a exploração e vá direto para a história principal. Caso contrário, pode esperar um jogo de mais de 50 horas, para quem gosta de interagir com todos os objetos, falar com todos os personagens e realmente se habituar à “Ultimate Academy”. O jogo ainda conta com modos extras para explorar sua relação com os outros personagens da história, assim como alguns outros minigames para entreter aqueles que ainda querem passar mais um tempo no jogo mesmo após o final dos créditos.

Veredito

Danganronpa V3: Killing Harmony cumpre o prometido e realmente mata qualquer harmonia que possa existir no começo do jogo. Com uma espécie de novo capítulo para a série, prepare para questionar tudo e todos até o final dos créditos, no que promete ser o maior “killing game” da série.

Jogo analisado com código fornecido pela NIS America.

85%